Cerimónia de casamento colectivo resgata sonhos de pessoas vivendo com HIV e Sida em Maputo

Ao som de cânticos tradicionais, de véu e grinalda, Ivone Raimundo e seu companheiro Arlindo Nhaca, trajado de fato e gravata, contraíram o matrimónio nesta sexta-feira numa cerimónia de casamentos colectivos, promovida em Maputo pela Associação HIXIKANWE (Estamos Juntos, em Português).

Com direito a brinde de champanhe, na companhia dos familiares e amigos, entre beijos e abraços e flashs fotográficos, Nhaca e Ivone juraram perante o conservador: “até que a morte nos separe”

Visivelmente emocionada e feliz, Ivone disse: “Ter HIV não é o fim do mundo, hoje estou a realizar um sonho que a Sida não conseguiu me roubar.”

Nhaca, por seu lado, ressaltou que viver com o vírus não é impedimento para se casar, mas sinal que estão inseridos na vida, onde riscos sempre ocorrem. “Fomos discriminados até chegar aqui, mas isso não me importa, hoje é o dia mais feliz da minha vida”, exprimiu Nhaca.

Esta acto, para a Ministra da Justiça e convidada da cerimónia, Benvinda Levi, significa que “mesmo com HIV, as pessoas ainda podem ter muita esperança e expectativa para continuar a viver positivamente.”

“Assim como qualquer outra pessoa, os seropositivos têm o sonho de se casarem e hoje conseguiram concretizar”, disse a patrona do evento, a Primeira-dama do Conselho Municipal da Cidade de Maputo, Celestina Simango.

A Assistente Social do Conselho Nacional de Combate ao Sida na Cidade de Maputo Avisa Faquira considera que esta é uma forma de combater o estigma e a discriminação contra as pessoas que vivem com HIV. “A esperança é a última coisa a morrer, o portador do HIV também deve ter auto-estima”, acrescentou Faquira.

Já a Coordenadora Geral da Associação de Luta Contra a Pobreza, Rabia Valigy, afirma que esta é uma forma de educação cívica. “Que os outros sigam esse exemplo, as pessoas com o vírus também têm o direito a se casar”, finalizou.

Colaboraram também para a realização desse evento a Associação Visão Jovem e a Associação de Luta contra a Pobreza.

Fernando Fidélis/Agência Sida – 09.07.2010

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.